segunda-feira, 5 de junho de 2017

Polícias Civil e Militar identificam PM como autor da morte de agente de saúde em Medeiros Neto

Tanto a Polícia Civil, quanto a Polícia Militar, identificaram um policial militar de Teixeira de Freitas como o autor da morte do agente de saúde Júnior Nunes Muniz, 28 anos, abatido com 5 tiros na madrugada de segunda-feira do último dia 22 de maio, na cidade de Medeiros Neto. O Comando de Policiamento Regional Sul, em Itabuna, assumiu a presidência das investigações.

O policial militar Marcone Dourado, integrante de uma guarnição que promoveu uma abordagem horas antes na vítima e no seu irmão e foi acusado publicamente pela família da vítima de ter agredido e provocado hematomas no irmão do rapaz e perpetrado a morte, terminou não figurando mais como acusado do crime contra o agente de saúde. Inclusive foi inocentado pelo irmão da vítima, que reconheceu outros dois policiais como autores da morte do seu irmão e não o PM Dourado que horas antes lhes promovera uma abordagem que culminou num desentendimento seguido de agressão.

Com a identificação dos dois policiais militares, o comandante da 44ª Companhia Independente da Polícia Militar de Medeiros Neto, major Ivo Leão, encaminhou o caso para que seja apurado sob o comando do coronel Marcelo Luiz Brandão Teixeira, comandante do CPR Sul – Comando de Policiamento Regional no Sul e Extremo Sul da Bahia, com sede em Itabuna, objetivando assegurar a imparcialidade dos fatos por meio do Inquérito Militar já instaurado pela PM.

Segundo o major Ivo Leão, a atitude de retirar as investigações da sede da 44ª CIPM e repassar a missão para o CPR Sul, foi objetivando garantir a imparcialidade das apurações e visando um produto final que se garanta a promoção da justiça. Os militares já foram retirados do serviço externo e a conclusão final do caso ocorrerá por parte da Corregedoria da Polícia Militar em Salvador, que vai decidir sobre o conteúdo das apurações e definir a vida dos acusados.

Já o delegado Willian Telles que responde pela Polícia Civil de Medeiros Neto, está concluindo os trabalhos esta semana e já anunciou que vai remeter o inquérito do caso para a delegada Valéria Fonseca, diretora da 8ª Coordenadoria Regional da Polícia Civil em Teixeira de Freitas, para que o caso saia do foco do problema e também seja concluído e defina sobre o indiciamento com total lisura pelo comando da Polícia Judiciária.

Tanto o Inquérito Militar, quanto o inquérito da Polícia Civil já identificaram um policial militar residente em Teixeira de Freitas e que já trabalhou em Medeiros Neto como o autor dos tiros que mataram o agente de saúde Júnior Nunes Muniz, 28 anos. E a pessoa que dirigiu o carro preto para o atirador, também é um policial militar que ainda trabalha em Medeiros Neto. No dia do crime os dois acusados estariam apaisanas.

Embora os nomes dos acusados pela morte do agente de saúde já sejam públicos, o Teixeira News entende que devemos ainda preserva-los até que os seus indiciamentos não sejam oficializados, tanto pela Polícia Militar, quanto pela Polícia Civil. Já o policial Dourado que vinha inicialmente sendo acusado pela autoria do crime, não figura mais como o assassino do agente de saúde, embora, ele ainda esteja figurando numa outra investigação em que é acusado pela autoria de uma possível agressão contra o irmão da vítima, horas antes do crime. (Por Athylla Borborema).

Nenhum comentário:

Postar um comentário