segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Nadador americano se negou a deitar no chão durante assalto no Rio

Lochte teve revólver apontado para cara durante falsa blitz após festa
(Foto: AFP)
O nadador americano Ryan Lochte, ouro no revezamento 4x200m livre da natação na Rio-2016, deu detalhes do roubo que sofreu em uma falsa blitz policial na madrugada deste domingo, no Rio de Janeiro. Ela voltava à Vila Olímpica após uma festa e estava em um táxi que foi abordado por criminosos. Lochte contou que se negou a deitar no chão quando os assaltantes ordenaram. Ele estava com três outros nadadores.

"Eles sacaram as armas e disseram aos outros nadadores para deitarem no chão - e eles deitaram. Eu me recusei. Eu pensei 'não fizemos nada errado, então não vou me deitar no chão'", contou Lotche à imprensa americana. "Então o cara engatilhou a arma, colocou na minha testa e disse: 'Se abaixe'", relatou. Lochte não o fez. "Eu coloquei minhas mãos para o alto".

Dinheiro e carteiras foram roubados de Lochte, que ficou apenas com celular e credenciais. O nadador é um de maiores sucessos da história, com 11 pódios olímpicos em toda carreira.

O Comitê Olímpico dos Estados Unidos (USOC, em inglês) enviou nota este domingo dizendo que Lochte foi abordado por pessoas vestidas como policiais. "Nós saímos do táxi e esses caras vieram com um distintivo policial, sem luzes, sem nada, só com distintivo", confirmou Lochte.

Com Lochte, estavam Gunnar Bentz, Jack Conger, Jimmy Feigen. Eles saíram juntos da Casa França para a Vila Olímpica, quando "foram parados por indivíduos que se passaram por policiais armados e pediram dinheiro e objetos pessoais. Todos os quatro atletas estão bem e cooperando com as autoridades", disse Patrick Sandusky, porta-voz dos EUA.

A Polícia Civil do Rio vai investigar o caso. (Correio)

Nenhum comentário:

Postar um comentário