quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Versão de internauta: Pixano mula o arisco foi morto na noite desta quarta feira por Xolim em ronda cão policial

Na noite desta quarta feira 18/10, o Pixano mula o arisco foi morto em uma ronda cão policial por Xolim.

Pixano tinha várias passagens pela polícia por transportar celulares em seu corpo para o presídio. Alimentando ainda mais o tráfico.

Mas, seus dias de mula acabaram devido a ação rápida de Xolim que não teve medo algum de ariscar a sua vida para prender o Pixano.

Em depoimento Xolim contou que a dias estava na cola de pixano só observando os seus passos como
seus parceiros até o dito momento não tinham conseguido capturar pixano ele resolveu entrar em ação sozinho sabendo que fez errado, mas se não fosse assim o tráfico ficaria a cada dia mais forte.

Agora cabe as investigações para saber se Pixano mula o arisco não aliciou mais ninguém.

Versão de uma internauta, membro de uma ONG

Cachorro mata gato que transportava celulares dentro de presídio

Um gato foi flagrado nesta quinta-feira (19) caminhando no Penitenciária Padrão de Cajazeiras, Sertão da Paraíba, com dois celulares presos ao corpo. Um cachorro adotado pela penitenciária acabou matando o gato.
De acordo com o diretor da penitenciária Tales Alves de Almeida, o setor de inteligência e monitoramento informou que um gato poderia ser deixado nas redondezas com celulares para os detentos.

A informação foi repassada aos agentes penitenciários, que não conseguiram pegar o gato pela agilidade do animal. Um dos dois cachorros adotados que ficam dentro do presídio acabou alcançando e matando o gato.

Ainda de acordo com o diretor Tales Almeida, o gato foi abandonado nas proximidades do presídio e segundo as investigações teria sido levado para casa por uma visitante, após a visita íntima desta quarta-feira (18), que utilizou esparadrapos para prender os celulares ao corpo do animal.
Conforme o diretor, devido à penitenciária ser muito próxima à BR-230 vários animais são abandonados e acabam entrando e saindo do presídio com facilidade. A direção da unidade pretende entrar em contato com o Centro de Zoonoses para ajudar a solucionar o problema. A polícia segue investigando o caso, e até as 12h (horário local) desta quinta-feira (19) ninguém foi preso.

PHOTO JORNALISMO / Com informações do Portal G1

Pastores são indiciados por estupros de membros de igreja em Goiás

Os acusados negam ter cometido os crimes. Entre as vítimas, estão adolescentes
  
Um casal de pastores foi indiciado por estupros de fiéis, nessa quarta-feira (18), em Edeia, no Sul de Goiás. Antônio Carlos de Jesus e Jéssica Teles da Cruz, presos desde setembro, induziam as vítimas, sendo a maioria adolescentes, a ter relações sexuais alegando que era para quebrar maldições. Os acusados negam ter cometido os crimes.

“Com as maiores de idade, Antônio falava que tinha uma maldição para quebrar e dava duas opções, uma opção era ter relação sexual com o cunhado ou o sogro e a outra, com ele. Se não fizesse, dizia que a vítima ou parentes iam morrer, ameaçava. Nas menores ele não dava a opção esdrúxula, dizia que tinha de quebrar a maldição com ele”, disse, em entrevista ao G1, o delegado responsável pelo caso, Quéops Barreto.

Ainda de acordo com a reportagem, o pastor estuprou cinco fiéis da Igreja Falando com Deus. Duas das vítimas tinham 13 e 14 anos. A mulher, por sua vez, responderá pelos abusos sexuais cometidos contra duas adolescentes. “Constatamos que ela teve participação e deve responder pelos crimes porque ajudava a amedrontar as vitimas, instigava o medo e ajudava a convencê-las de fazer o ‘sacrifício’”, explicou o delegado.

O caso foi descoberto graças à mãe de uma vítima, de 16 anos, que questionou sobre virgindade no namoro. “O pastor disse que ela deveria fazer o ‘Sacrifício de Abraão’ porque ela tinha a maldição de sexo e só quebrava com sexo. Ele falava que, se não fizesse, a mãe e os irmãos iam morrer, usava a fé e o medo”, explicou Barreto.

O delegado acredita que podem haver mais vítimas. “Acreditamos que teve gente que não quis falar, ficou com receio de revelar. Mesmo com a conclusão do inquérito, as vítimas que desejarem podem procurar a delegacia para denunciar os abusos”, explicou.

PHOTO JORNALISMO / Com informações do Minuto ao Minuto